Fases do design thinking: quais são e como aplicar como empreendedor?

O design thinking está em alta. Mas nem todas as pessoas sabem o que ele significa e nem como pode ser aplicado em vários projetos, tanto de empreendedorismo, como na própria vida.

Neste conteúdo nós vamos lhe explicar o que é o design thinking, etapas fundamentais dessa metodologia e também como ela pode ajudar os empreendedores. Confira!

O que é design thinking e qual sua importância?

O design thinking é uma metodologia que busca encontrar soluções criativas e inovadoras para diversas questões. Dentro do empreendedorismo, ele pode ser usado tanto na melhora da experiência do cliente, como no desenvolvimento de novos produtos e serviços ou até na inovação dentro dos processos da empresa.

A tradução literal do termo pode ser entendida como “pensar como designer” e é justamente essa a essência da metodologia. Afinal, o design é o conhecimento usado para promover mais bem-estar para as pessoas, facilitando a vida delas com produtos e itens diferenciados, que resolvam suas demandas.

O termo se popularizou com Tim Brown, CEO da Ideo. Para ele, quem deseja inovar, precisa pensar como um designer (mesmo não sendo da área), afinal só assim é possível desenvolver soluções criativas e que tenham foco nas pessoas.

Design thinking etapas: quais são e como usá-las?

Como você viu, essa metodologia é importantíssima para as empresas, já que ajuda no processo de inovação, que pode ser usado em várias áreas dentro dos negócios. Por isso é essencial entender as fases do design thinking e começar a colocar a “mão na massa”. Vamos a elas.

  1. Imersão

Nessa fase, estamos buscando nos aproximar do problema. A ideia é que a equipe trabalhe estudando o desafio a ser superado, considerando tanto o ponto de vista da empresa como do cliente.

Para isso, são usadas várias ferramentas de apoio, como entrevistas, pesquisas de tendência (também chamadas de cool hunting), observação direta, entre outras.

Dentro do que chamamos de “imersão” ainda podem haver subfases, que são: preliminar, baseada no primeiro contato com a situação e em profundidade, quando as equipes passam a fazer um levantamento mais detalhado das oportunidades, fraquezas e necessidades – itens que irão nortear as próximas fases.

  1. Ideação

Essa é a fase do “brainstorming”, quando todos os membros da equipe sentem-se livres para expor suas ideias, sem que haja nenhum tipo de julgamento. A intenção é estimular a criatividade dos membros, desenvolvendo várias soluções para o problema (mesmo que a maioria não seja usada).

Nesse momento, as ferramentas que visam estimular a criatividade são essenciais. Além disso, também é possível usar mapas cognitivos, personas, técnicas de canvas, entre outros. Tudo que ajude a melhorar a visualização das equipes, das questões a serem tratadas e também ampliem a criatividade. Um grupo multidisciplinar é uma ótima ideia para agregar visões diferentes sobre o mesmo problema.

  1. Prototipagem

Agora, haverá uma seleção das ideias apresentadas, escolhendo aquelas que melhor se encaixem no problema e que, de forma simplificada, tragam uma solução diferenciada e inovadora, capaz de resolver as demandas das pessoas envolvidas com a empresa.

Assim, podemos entender a prototipagem como a etapa de validação das ideias. As equipes vão trabalhar melhor na solução (que nem sempre pode ser criada a partir de uma ideia única, mas sim ser um “misto” de várias alternativas).

Aqui, haverá um cronograma para que a solução seja colocada em prática e testada com um grupo alvo. Isso permite torná-la ainda mais eficaz para, de fato, ser implementada.

Em alguns casos, é possível encontrar uma quarta etapa, que é a fase dos testes, quando as ideias são colocadas em prática e passam por um processo de refinamento.

Essas são as 3 etapas básicas do design thinking. Para alguns estudiosos, elas podem ser subdivididas em outras fases. Mas a ideia geral é sempre a mesma. E o mais bacana é que essas etapas podem ser usadas em diversos setores, tanto na vida empresarial, como para questões particulares, como o planejamento da carreira.

É claro que, neste post, simplificamos bastante o assunto. Mas se você ficou interessado, é possível aprender mais sobre o design thinking e suas etapas em uma escola de qualidade e que seja referência no mercado.

Agora você já sabe tudo sobre as etapas do design thinking? Compartilhe nosso post e ajude os seus amigos empreendedores a compreenderem melhor sobre essa metodologia.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *