Elis Regina e Tom Jobim: conheça a história dessa parceria

Elis Regina e Tom Jobim são, sem dúvida, os dois maiores nomes da música popular brasileira. E também brilharam juntos no palco, com canções inesquecíveis como “Só tinha de ser com você” que até hoje ainda faz sucesso com diversos públicos.

Mas você sabe como essa parceria teve início? Continue a leitura e saiba mais!

O primeiro encontro e a ditadura militar

A primeira vez que Elis Regina e Tom Jobim trabalharam juntos foi na gravação “Elis & Tom” de 1974 realizada nos Estados Unidos. Mas até que essa história se concretizasse aconteceram muitos percalços.

Elis Regina vinha sofrendo com uma crise de imagem, principalmente porque havia se apresentado nas Olimpíadas do Exército, na época da ditadura militar. Embora ela não fosse favorável ao regime, acabou aceitando a proposta por medo de retaliação e também por inabilidade dos seus empresários em saber negociar com os militares.

O resultado foi bastante desastroso para a imagem da cantora, que passou a ser mal vista por alguns setores da imprensa, do mundo acadêmico e da intelectualidade.

Precisando se reerguer, Elis procurava uma parceria com um músico de renome e de prestígio. Um convite da gravadora Phonogram veio a calhar e foi assim que o empresário e produtor de Elis na época, Roberto de Oliveira, sugeriu a parceria com Tom Jobim, que estava morando no exterior e sofria com a falta de popularidade no seu país.

Tom queria ser mais conhecido e popular por aqui, enquanto Elis desejava se unir a um nome de peso entre os músicos da época e, principalmente, que não tivesse nenhum envolvimento com o cenário político. Foi assim que surgiu o disco Elis & Tom – um momento histórico para a música popular brasileira.

A história, inclusive, foi contada à Folha de São Paulo por Roberto de Oliveira e tem outras curiosidades sobre esse momento.

Rusgas entre os artistas

Porém, antes dessa gravação, Elis Regina e Tom Jobim já tinham “trocado farpas”. A cantora havia sido reprovada por Tom, em 1964, para o disco Pobre Menina Rica, com a alegação de que ela era muito provinciana.

Dez anos mais tarde, os dois voltaram a se encontrar para a gravação do disco, mas mesmo assim as dificuldades apareceram, pelo menos no início, com debates sobre questões musicais. Principalmente porque cada um vinha de uma escola diferente, já que Elis era cantora de MPB e Tom ainda vivia a época da Bossa Nova.

Outra curiosidade sobre esse relacionamento foi a música “Na Batucada da Vida”, de Ary Barroso. A canção foi mostrada à Elis por Tom durante o período que ficaram nos Estados Unidos e Tom pediu a ela que não gravasse a música, pois a mesma seria incluída em um disco só com canções de Ary que Tom pretendia gravar.

Mas, ao retornar para o Brasil, Elis gravou a canção, deixando Tom Jobim chateado e fazendo com que o músico deixasse o projeto de lado.

A importância de “Elis & Tom”

Apesar de tudo isso, o disco “Elis & Tom” é considerado um dos mais importantes da nossa história musical – e já foi até cobrado como “leitura obrigatória” no vestibular da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), em 2018, ao lado de clássicos da literatura brasileira.

Isso porque, as letras e as melodias dessa gravação carregam um grande peso lírico, além de ajudar os jovens a conhecerem um pouco mais sobre essas duas personalidades tão importantes para a história da nossa música.

Elis Regina e Tom Jobim são dois grandes nomes da nossa música e de personalidades fortes que juntos criaram um dos discos mais famosos da nossa história. Se você gostou deste post, compartilhe a nossa publicação em suas redes sociais!

Quem foi Antônio Carlos Jobim?

 

Antônio Carlos Jobim, mundialmente conhecido como Tom Jobim, é um dos músicos brasileiros de maior sucesso na história. Ao lado de Vinícius de Moraes, compôs “Garota de Ipanema”, praticamente um hino a brasilidade.

Apesar de todo esse sucesso, nem todo mundo sabe como Antônio Carlos Jobim se tornou Tom Jobim, nem a sua trajetória musical rumo ao sucesso. Quer saber mais sobre esse músico? Continue a leitura!

De Antônio Carlos Jobim a Tom Jobim: a ascensão musical

Tom Jobim na verdade se chama Antônio Carlos Brasileiro de Almeida Jobim e nasceu em 1927, no Rio de Janeiro, crescendo em uma família de boêmios e artistas.

Embora a música sempre estivesse na sua essência, Tom Jobim começou a cursar arquitetura. Insatisfeito, resolveu largar o curso e se dedicar a sua grande paixão: a música.

A vida do artista começou nos bares e boates de Copacabana e apenas em 1952 ele foi contratado pela primeira gravadora, a Continental. Porém a sua função era a de transcrever para o papel as músicas dos compositores já consagrados.

Em 1954, Tom Jobim se arrisca nos primeiros arranjos, com a ajuda do maestro Radamés Gnatalli. Foi graças ao emprego na Continental que conseguiu gravar a sua primeira música: Faz uma Seresta, em 1954, sendo parceiro de Juca Stocklei.

Apesar disso, a primeira grande parceria foi com Newton Mendonça, criando clássicos como Desafinado e Samba de uma nota só.

Em 1956, Tom Jobim e Vinícius de Moraes se conhecem. O músico ficou responsável  por produzir os arranjos da peça Orfeu da Conceição, escrita pelo poeta e na sequência adaptada para o cinema. O sucesso “Se todos fossem iguais a você” era uma das músicas que compunham a peça.

No ano de 1958 é lançado o álbum “Canção do amor demais”, com várias músicas da parceria entre Vinícius e Tom e sendo considerado um dos marcos da música popular brasileira, com músicas regravadas por nomes de sucesso na nossa música.

Garota de Ipanema nasce em 1962, mas apenas foi gravada em março de 63 e chegou a entrar para a lista das 10 músicas mais tocadas no mundo, sendo inclusive regravada na voz de grandes artistas, como Frank Sinatra.

A carreira internacional de Antônio Carlos Jobim

Também foi em 1962, que o nome de Tom Jobim foi lançado ao mundo. Ano em que o guitarrista Charlie Byrd e o saxofonista Stan Getz lançaram o álbum “Jazz Samba”, com uma versão instrumental de Desafinado.

A música fez tanto sucesso que ganhou uma variedade de intérpretes na terra do Tio Sam, como Quincy Jones, Dizzy Gillespie, entre outros. Em 1963, Tom Jobim e mais alguns músicos brasileiros são convidados para se apresentarem no Carnegie Hall e lançam Garota de Ipanema ao mundo.

Entre as décadas de 60 e 70, Tom Jobim gravou muitos álbuns para várias gravadoras americanas. Porém, quando a música brasileira começou a dar sinais de queda nos Estados Unidos, o músico começou a focar em um setor em ascensão: o cinema e a TV brasileira.

Em 1985, Tom Jobim é novamente convidado a se apresentar no Carnegie Hall, para uma plateia de mais de 3 mil pessoas, estreando uma turnê bem longa pelos Estados Unidos e pela Europa, levando o nome de Tom Jobim para todo o mundo e o tornando o sucesso que conhecemos hoje.

Antônio Carlos Jobim faleceu em dezembro de 1994, nos Estados Unidos, durante uma cirurgia do coração.

Muito além de Garota de Ipanema, o músico ficou mundialmente famoso por várias outras canções célebres, cantando ao lado de nomes memoráveis do universo musical como Pavarotti, Elton John, Sting e muitos outros, sendo até hoje sinônimo da boa música brasileira.